Unidades Curriculares

2021/2022

História e Teoria da Antropologia
Coordenadores: José Manuel Sobral e Nuno Domingos
(1.º ano, 1.º semestre; 20 horas de aula, 140 horas de trabalho individual, 5 créditos ECTS)
O quadro temporal que circunscreve esta unidade não permite proporcionar uma visão genérica da história da disciplina. Optou-se, por isso, por oferecer um contacto com alguns dos autores mais relevantes na teoria antropológica contemporânea e que ilustram o seu pluralismo, abordando alguns temas da sua pesquisa como a família e a reprodução social, a prática, a construção social do corpo, o poder, a dominação e a resistência, a classe, o género, a etnicidade, a globalização, as desigualdades e o risco. A importância dada à articulação entre teoria, etnografia e história é um elemento comum a todos.

Metodologias da Investigação Etnográfica
Coordenadoras: Fátima Amante e Simone Frangella
(1.º ano, 1.º semestre; 20 horas de aula, 140 horas de trabalho individual, 5 créditos ECTS)
Nesta unidade curricular os estudantes adquirem as competências necessárias para planificar e desenvolver o seu projecto de investigação, o trabalho de campo e/ou investigação documental e a redacção de uma etnografia antropológica. O programa está organizado em dois grandes momentos: o período de preparação e execução do trabalho de investigação empírica e o período da análise do material e redação da etnografia. Esta organização tem por objetivo levar os estudantes a identificar com clareza as diferentes questões metodológicas colocadas ao longo do processo de produção de conhecimento antropológico. O trabalho dos estudantes consolida-se na leitura e análise de uma monografia a partir da qual irão reflectir sobre várias temáticas abordadas ao longo do curso, tais como as questões éticas na investigação antropológica, a relação dos antropólogos com os seus interlocutores, as emoções em campo, as diferentes fontes de material recolhido em campo ou no arquivo e como elas moldam a etnografia, as escalas e a comparação na análise etnográfica.

Antropologia Pública do Ambiente
Coordenadores: Paulo Castro Seixas e Rui Sá
(1.º ano, 2.º semestre; 20 horas de aula, 140 horas de trabalho individual, 5 créditos ECTS)
O objetivo principal desta unidade curricular é permitir aos estudantes uma compreensão crítica das novas reconceptualizações de mudança global e crise ambiental aprofundando conceitos e temas da Antropologia do Ambiente, conjugando teoria e prática, refletindo sobre a relevância de uma antropologia ‘aplicada’, ‘implicada’ ‘pública’ ou ‘de orientação pública’ e o ambiente. Na primeira parte (RS) serão apresentadas as dimensões conceptuais de antropoceno e capitaloceno, bem como algumas intersecções entre a antropologia e a história ambiental, passando também pelo contributo etnográfico para a ecologia política. Na segunda parte (PCS) discutem-se os objetivos de desenvolvimento (ODM e ODS) numa lógica de governança global, analisam-se discursos, narrativas ambientais e identidades ambientalistas e exploram-se planos transformacionais. Por fim, na terceira parte, um conjunto de seminários por especialistas convidados possibilitará a partilha de experiências empíricas em domínios como: saberes ecológicos tradicionais e ciência cidadã; saúde ambiental e One Health; eco refugiados e políticas sociais preventivas; sustentabilidade e gestão urbana.

Corpo e Sociedade: Perspectivas da Antropologia
Coordenadoras: Chiara Pussetti e Cristiana Bastos
(1.º ano, 2.º semestre; 20 horas de aula, 140 horas de trabalho individual, 5 créditos ECTS)
A partir dos textos clássicos de Mauss e Bourdieu, esta cadeira analisa os corpos humanos como produtos tanto da biologia como da cultura, explorando a relação entre corpo e sociedade em diferentes contextos culturais e momentos históricos. Na primeira parte, iremos ler os textos fundamentais da disciplina, identificando os conceitos-chave e as principais abordagens teóricas. Na segunda parte, iremos refletir sobre 1) a nossa experiência incorporada do mundo; 2) as formas como os corpos são passíveis de ser disciplinados pelo poder, mas também capazes de resistência; 3) os efeitos das novas tecnologias nas maneiras como vivemos, alteramos e percebemos os nossos corpos; 4) o legado do colonialismo e da opressão racial nos ideais de beleza eurocêntricos contemporâneos e nos tratamentos estéticos étnicos; 5) as principais considerações éticas sobre o corpo (o seu uso, valor, limites, potencialidades e tráfico) a partir de casos etnográficos concretos e comparando diferentes contextos.

Seminário de Investigação em Antropologia
Coordenadores no 1.º semestre: Clara Saraiva, Catarina Casanova, João Vasconcelos e Sónia Frias
Coordenadores no 2.º semestre: Elsa Peralta, Giulia Cavallo, João Vasconcelos e Maria José Lobo Antunes
(20 horas de seminário, 140 horas de trabalho individual e 5 créditos ECTS por semestre, durante os quatro anos do curso)
O Seminário de Investigação em Antropologia constitui uma actividade permanente destinada à discussão em grupo de projetos de investigação, resultados preliminares de pesquisa e capítulos de tese dos doutorandos dos quatro anos do curso, com o objetivo de desenvolver o seu espírito crítico e as suas capacidades de argumentação escrita e oral e de consolidar hábitos de debate científico.

Projecto de Investigação em Antropologia I e II
(1.º ano, 1.º e 2.º semestres; 20 horas de orientação tutorial, 280 horas de trabalho individual e 10 créditos ECTS por semestre)
Trata-se de uma unidade curricular de orientação tutorial que decorre no primeiro ano do curso, durante a qual o doutorando recebe acompanhamento individual na construção e consolidação do seu projecto de investigação. A aprovação do projecto de investigação doutoral no final do primeiro ano é condição necessária para que o aluno prossiga o curso de doutoramento.

Seminário de Estudos Pós-Graduados
Coordenador do SEPG de Antropologia: Pedro Figueiredo Neto
O Seminário de Estudos Pós-Graduados decorre ao longo do ano lectivo e dirige-se prioritariamente aos estudantes dos vários programas de doutoramento do ICS. Integra quatro seminários disciplinares (Antropologia, Ciência Política, História e Psicologia Social) que se sucedem semanalmente de forma rotativa. As sessões do seminário duram duas horas e consistem numa palestra a cargo de conferencista convidado, seguida de discussão aberta a todos os participantes.